Ushuaia, o fim do mundo enfim

Esse meu ultimo período de férias fui conhecer um lugar que já estava na lista de destinos desejados há um tempo e que com o apoio e incentivo total da Michelle Iglesias fui tirar esses planos do papel.

Ao invés de fazer indicações de lugares e essa coisa de “blog de viagem” vou comentar algumas coisas sobre o que rolou na viagem e nas trilhas.

Parque Nacional Tierra del Fuego
(3*)

Acho que foi a trilha que menos gostei de fazer. Foram 8km da trilha nº2 “Sendero Costera” que como o próprio nome diz vai seguindo pela costa do Parque Nacional saindo da Bahía Ensenada com destino final a Bahía Lapataia. Durante todo o percurso feito floresta adentro somos presenteados por praias e ilhas num visual lindo, mas que quando termina a trilha fica aquela sensação de é muito bom mas acho que tava esperando mais.

Chegando ao centro de apoio ao turista te uma pequena trilha que leva ao Lago Roca, que tem na minha opinião o visual mais bonito das trilhas que fiz.

Por fim a ultima trilha de 4km nos leva do Lago Roca até a Bahía Lapataia, passando pelas Lagunas Verde e Negra e pelo mirador Lapataia, que são cenários bem bonitos mas também com a mesma impressão de que estava esperando mais.

A trilha termina na entrada da Bahía Lapataia que também o final da “Ruta 3”.

Visita ao Parque Nacional é bacana mas se você esta com poucos dias disponíveis acho que da pra encurtar e só fazer a trilha final sem sentir necessidade de trilhas completas. O famoso trem do fim do mundo além de caro nem os próprios guias recomendam, então não fiz.

 

Parque Nacional Tierra del Fuego

 

Laguna Esmeralda
(5*)

Durante os pouco mais de 4km da trilha tivemos vários tipos de condições climáticas como sol e céu aberto na primeira planície, vento e garoa na subida da floresta, vento e nevasca na planície que nos levaria a uma leve subida até chegar na laguna em si. Quando chegamos a nevasca parou e o céu abriu levemente o que gerou uma ótima oportunidade de registros fotográficos. Na volta a nevasca nos acompanhou ate metade da floresta nos brindando com uma das imagens mais bacanas que ficou conhecida internamente como “imagem de capa de CD”.

O terreno muito liso, com poças de lama e gelo fino sobre o terreno causou uma situação engraçada, eu não percebi que havia uma grande poça de lama que estava encoberta pelo gelo e ao pisar nessa parte do terreno afundei minha perna direita no barro/gelo ficando quase que atolado até os joelhos, por isso tome cuidado onde pisam e levem meia extra, se faz necessário.

Com certeza uma das trilhas que mais gostei! Recomendo demais!

 

Laguna Esmeralda

 

Glaciar Martial
(5*)

O táxi nos deixa na entrada da estação de teleférico (aerossila) que durante os meses de inverno funciona como uma estação de esqui de pista unica e que no resto do ano esse espaço para subida ao cume do Glaciar é feita por uma trilha.

No final da estação do teleférico começam duas trilhas sobre as montanhas do Glaciar, uma para o mirador que nos proporciona uma linda vista da cidade de Ushuaia, do Canal Beagle e da Ilha Navarino (Chile) e a outra trilha que leva até o cume da montanha. Devido a nossa falta de equipamento de segurança fizemos apenas um pequeno trecho dessa subida que ao que tudo indica deve ser das coisas mais maravilhosas.

O Glaciar Martial é um ótimo lugar para os turistas fazerem aquelas clássicas brincadeiras como jogar bolinhas de neve e fazer os tradicionais “anjinhos”, eu me apropriei de um boneco de neve e o fiz como amigo!

Altamente recomendado.

 

Glaciar Martial

 

Glaciar Vinceguerra
(4*)

Confesso que até chegar no hotel eu não tinha ouvido falar dessa trilha que nem é tão divulgada entre os guias e funcionários do hostel, tanto que não há saídas de transfers para o local. Chegamos lá de táxi e a placa indicava que seriam cerca 6km a serem percorridos em aproximadamente 4hs.

A trilha se inicia numa planície onde alguns cavalos ficam pastando na beira do rio, cruzamos uma ponte e ao entrar na floresta começamos a subida da trilha, subida essa que é bem ingrime e com terreno com lama e gelo, tanto que há algumas placas informando o risco de queda.

Quando já havíamos caminhado por pouco mais de 4km tivemos alguns problemas de localização e acabamos nos perdendo na floresta e começamos a subir em direção ao cume da montanha onde haviam muitas rochas e gelo tornando praticamente impossível prosseguir com a trilha. Nesse momento o grupo acabou se dividindo em 2 e acabei voltando pelo mesmo caminho que estávamos indo junto de mais uma pessoa do grupo, enquanto as outras três pessoas voltaram por um outro caminho. Não conseguimos chegar ao final da trilha e conhecer o Glaciar Vinceguerra.

A volta para o hostel també foi outra epopéia, pois como não havia transporte voltamos a pé pela estrada e conseguimos uma carona até a entrada da cidade, nessa estrada avistamos o restante do grupo nos dando um alivio ao ver que todos estavam bem.

Trilha não concluída, tensão com a situação na floresta, carona e táxi pra voltar pro hostel, com certeza foi o rolê mais surreal da viagem.

Quero muito voltar pra completar essa trilha.

 

Glaciar Vinceguerra

 

Navegação Canal Beagle
(4*)

Existem várias empresas que prestam esse serviço mas recomendo as que possuem barcos pequenos pois assim tem maiores condições de chegar mais perto de todas as ilhas.

O horário da amanhã é o mais bacana para fazer a navegação, além de poder descer do barco e caminhar um pouco na ilha perto dos Leões-marinhos e dos Cormoranes (aves que tem uma grande semelhança com pinguins), tem uma grande chance de ver as baleias em seu lindo balé!

Vale muito conferir!

 

Navegação Canal Beagle

 

 

Confira as fotos dessa viagem na galeria Ushuaia

 

Raphael Prado

Fotógrafo graduado pelo Senac, apaixonado por música, futebol e por novas formas de retratar o cotidiano.

One Reply to “Ushuaia, o fim do mundo enfim”

Comments are closed.